segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

O Espelho

“O espelho reflete a minha vaidade, enquanto continuo me procurando dentro dos meus próprios olhos. Um mundo que não me completa, onde as pessoas morrem diariamente e nem se dão conta de que já não estão ali. Amores que exigem das pessoas mais do que o próprio ato de amar. Cumplicidades forjadas nas beiradas frias de uma carência qualquer. Então a mentira vira tática, camuflar o que incomoda, isso sim é uma dádiva, e talvez esse seja meu único dom. O que sou? Sou apenas cada pedaço que sobrou de mim. A morte e desespero pra uma mente bagunçada, o alivio dos iludidos que aguardam o final de um livro sem fim. Recuso a minha tristeza porque meus motivos sempre são menores do que a minha própria dor. Eu não falo tudo, falo a metade, mas ninguém desconfia que digo apenas uma parcela de mim. Nunca entendi quando dizem que se sentem vazios e continuam seguindo em frente, o que está vazio não pesa, mas uma alma vazia é impossível de carregar.”

Sean Wilhelm.

Nenhum comentário:

Postar um comentário