sábado, 7 de janeiro de 2012

Mentiras

Rafael Deleon
Mentiras
Jorge Jacinto

A mentira não estava revelada em seu doce olhar,
Até mesmo por este eu dominar como minha respiração.
Por isso era evidente que nada a acontecer pudesse nos abalar,
Mas o nada provou o sonho que se deparou num instante de razão.

O incômodo em adiar as conseqüências de seus atos impulsivos,
Devem ter em vários momentos por aflição te sufocado o peito.
Contudo o que me perturba é entender o que só você sabe seus motivos.
Você mediu as conseqüências fato que me custa compreender deste jeito.

As persistentes e incansáveis desculpas justificadas pouco disseram.
O que gostaria de ouvir não me soou como melodia esperada.
O acalmar da minha dor poderia vir desta compreensão,
Mas cicatrizes foram feitas e não se pode apagá-las.

A mentira por mais que provoque ferimentos profundos,
É no mais íntimo da alma que o sentimento verdadeiro está.
A percepção da essência maravilhosa que move o mundo,
Onde o real amor se completa no ato de saber perdoar.